sexta-feira, 29 de outubro de 2010

~~'Homenagem do Poeta Vulgo Mini

A poetisa passou por aqui
E com suas palavras
Devolveu os sonhos
Fez com que a flores desbrochassem com todo encanto
Perfumando mais a vida, os coraçoes e a alma
Trazia nos lábios o sorriso mais doce
Nos olhos o brilho nunca antes visto
E em cada olhar lançado, despertava o inesperado.
Também trazia nas mãos a vida
E dizia a todos, que essa devia pulsar bem mais forte que o proprio coraçao!
Pois só dando valor à vida,
Alcançaríamos o inalcansável!
A poetisa esteve aqui!!!
E permanece nas entrelinhas de tudo que eu li!



essa é pra vc meu anjo!

Alex
________________________________________________________________________________
Meu amigo poeta, anjo, vc sabe que sou mto grata por ter te conhecido. Vc me mostrou a força, a esperança, o amor, entre outras coisas q são a razão para q eu continue escrevendo. O que escrevo são apenas reflexos de minha vida. De tudo que acontece ao meu redor. Então oq escrevo é um reflexo seu tbm. E sei que vc reconhece isso em meus versos. Estou em débito com vc, mas logo lhe farei uma homenagem! MUITO OBRIGADA POR SER ESSA PESSOA MARAVILHOSA E ATENCIOSA COMIGO. Obrigada mesmo, por tudo!
Beijoos

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

~~' Felicidade- Dinely Borges

   Compreendo hoje a felicidade. Tão rápido como o piscar dos olhos, a vida passa. O destino é obra do que construímos - construa boas amizades. Amigos são estrelas que iluminam durante a escuridão. Alguns decepcionam, mas a altura, outros lhes estendem a mão. Não há nada tão ruim que seja para sempre. Mas as coisas boas da vida, estas sim habitarão a alma pela eternidade. Compreendo hoje a felicidade. Os pequenos momentos que me fizeram não perder a coragem de continuar. E ainda, há tempo nos tempos do viver, para agradecer as dificuldades. A escola que nos faz crescer. Então faça da vida uma obra de arte. Uma obra que leva uma vida para se fazer.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

~~' Fênix- Dinely Borges

Que outra criatura
Cantaria no leito de morte
Se não soubesse com brandura,
Renascer por sorte.

Das cinzas do tempo
Reconstrói a própria força.
Renascendo de si mesma,
Joga-se ao vento.

Outrora penas em chamas,
Mostram-se vermelhas
Mesclando as douradas
Prêmio por sua grandeza,
Ave aclamada.

Encantadora fênix milenar,
Os teus doces cânticos a mim são quimeras,
Pois também vim das cinzas que me levam
Ao teu exemplar.

Quem um pouco de ti não tem,
Não sabe voar.
Mas se aprende em silêncio o que te desprende
Fascina-se com o teu e próprio despertar.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

~~' O Despertar de Uma Paixão

"Às vezes a maior jornada é a distância entre duas pessoas."

Walter:"Acho que você me considera um tolo maior do que eu sou"

Walter:"-Conhece um lugar chamado Mai Tang Fu? Houve um surto de cólera. A pior epdemia em muito tempo. Eu me ofereci para cuidar de tudo."
Kittty:"-Não vai me levar para o meio de uma epidemia de cólera."
Walter:"-Acha que não?"

Kitty:"-Talvez eu possa ajudar no hospital."
Walter:"-Você vai se matar."

kitty:"-Eu me casei com você sem amá-lo. Mas sabia disso. A culpa é tão sua quanto minha."

Kitty:"- Você me despreza tanto assim ?"
Walter: "- Não, eu desprezo a mim mesmo por ter te amado um dia!"


Uma paisagem belíssima. Um país ameaçado. Uma história de amor. Após a traição de sua esposa Kitty, Walter Fane, um introspectivo bacteriologista, aceita trabalho voluntário em um pacato vilarejo infectado pelo cólera. Sem escolha, Kitty muda-se com Walter. Uma grande jornada de reclusão e auto-conhecimento dará novo significado ao relacionamento e irá reascender a paixão entre os dois, num dos lugares mais bonitos e remotos do planeta.



segunda-feira, 25 de outubro de 2010

~~'Sol da manhã - Dinely Borges

Desfazer o que está feito
Nem sempre surte efeito,
E nesses caminhos
Desenho o novo
De diversos encontros
Diferenciando flores de espinhos.

Assim vou seguindo,
Peneirando o solo em que piso
Fazendo das pedras
Terra fofa.
Assim vou seguindo
Esperando a chuva que certamente virá
E um pouco do sol da aurora para reinventar.

domingo, 24 de outubro de 2010

~~'Ainda aqui - Dinely Borges

Em minha paz disfarçada
Não temia o amanhã.
Tão vulnerável!
Uma ventania inesperada a levou.

Destarte, em mescla de felicidade
Coloria com preto, sutil preocupação.
O que incomodava, era o coração,
Ah!Como pulsava.
Talvez fosse apenas saudade,
Essa sim, nunca o deixou.

Doce ilusão envenenou-me,
Acreditei ser inteiramente dona de mim
Mas bastou o tempo de um crepúsculo
Para desmanchar em meus olhos
A face do ontem.

Não sei se posso
Ainda acreditar em minhas súbitas verdades.
Talvez mentir curaria todos os sentidos.
Talvez o ontem fosse apenas um sonho confuso,
Mas a realidade do hoje me chama suavemente
Por mais que não queira eu a vou seguir.

sábado, 23 de outubro de 2010

~~'Flores e Estações- Dinely Borges

Colheram no meu jardim.
Caminharam entre pedras e flores,
Pois em meu ser não é só amores.
Entre tantas,
Eleita foi a flor branca.
Amizade adocicada, suavemente perfumada,
Presa em um jasmim.

A primavera é um farol.
Guia na escuridão com facilidade,
Encontra o coração e faz nascer felicidade.
Flor desperta, que sabe para onde olhar,
Cresce para o Sol sem pestanejar.
Cresce o mais alto que pode
E o resto deixe para a sorte, amarelo girassol.

Encantaram-se ao verem em um canteiro
Delicada flor esquecida,
Amor-de-homem dizia o letreiro.
Esperança que morre no coração
Mas que aquece novamente no verão
E logo se desfaz na brisa
Dente-de-leão.

O outono os distraia
Com as mesmas noites e dias.
Cores que se mesclavam no poente,
Folha amarela e vermelha com o vento caia.
Parte do jardim cultivada por outros,
Os que conhecem minhas dores e alegrias.
Uma flor que apenas amor cabia,
Lírios-do-campo em maestria.

Em um pomar de quatro estações
Decidiram ver o que o inverno tinha para mostrar,
A bela do gelo fez-se apreciar.
Borboletas trazidas pelas monções
Batendo asas multicores, em grandes folhas foram pousar.
Flor infame...
Não se deixe por ela enganar,
É onde escondo ciúmes e o adeus.
Apreciado ciclame,
Que os soube guardar.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

~~'Goiaba-Dinely Borges

Ser feliz é rir a toa,
Andar na praia
Pescar na lagoa.

É encontrar uma goiaba
Ser jabuticaba,
Viver a amizade
Numa boa.

Ser feliz é compartilhar os sonhos
E as tristezas também.
Confiar em um amigo
Para tudo ficar bem.

É sorrir para o sol
E agradecer ao farol
Que ilumina na escuridão
-amigo irmão-

Quem dera a sorte
Todos terem uma goiaba,
E conhecerem uma jabuticaba.
Compreender que a amizade sim é forte
Pois é um laço que nunca não se acaba.

Homenagem que dedico ao meu querido amigo Markin Catuta!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

~~'O que é perfeito? -Dinely Borges

   O que é perfeito? Perfeito é um estado de espírito. O que faz seu dia completo? Um estado de espírito. O que ontem era tão belo, tão certo que ninguém ousaria dizer que havia algo errado, hoje é banal, comum. Agora abro minhas asas e vou além... Digo que tudo que provei é um estado de espírito... Não existe a felicidade, não existe a depressão, nem digo a solidão... Tudo que se tem, passa. Essa é a verdade que repeti para meus ouvidos nos últimos dias... Mas ainda em minha falha esperança, acredito que o amor seja verdadeiramente completo, que não se perde. Amor não se tem, amor nasce, aprende a viver em você e trás com ele todas as outras sensações, agora completas. Mesmo as mais dolorosas. Você também aprende a viver com elas. E por mais difícil que seja o caminho, a felicidade lhe acompanhará nas manhãs de sol, e um sorriso formará facilmente quando uma lembrança se desenhar em noites de frio. Até mesmo quando os pés não tocarem mais este chão, é o amor que mostrará a direção.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

~~'Valsa da vida-Dinely Borges

Dance,
Pois pode ser que amanhã
A mesma música já não toque,
E talvez os teus pés de outra melodia,
Não goste.

Dance,
Porque a alegria é passageira
E o momento não volta.
O que fizer hoje é reflexo no futuro,
O que não fizer também refletirá.

E dançando vai coreografando o seu caminho,
Dance jazz, mas faça do reggae seu hino.
Talvez na valsa do destino
Deslizando pelos momentos
Um segredo descobrirá,
Que a vida é mesmo dançar.

domingo, 17 de outubro de 2010

~~'Das utopias- Mário Quintana

Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

sábado, 16 de outubro de 2010

~~'O preço por ser poeta (Vulgo Mini e Dinely Borges no fim)

A maior parte foi meu amigo querido que esvreveu, ajudei apenas no fim. Mas ainda teremos a oportunidade de mesclar estrofes.

O preço que pago por ser poeta?
É às vezes viver a minha solidão, perdido em meus próprios pensamentos, tentando me encontrar.
Andando de um lado pro outro dentro de mim, sem saber qual o melhor caminho.
E muitas vezes sem saber se esse caminho me levará aonde realmente eu quero chegar.
Mas sei que pago um preço maior por ser o que sou, porque no fundo, todo poeta, tem uma ferida que nunca se fecha. Um coração que na maioria das vezes não bate, apenas dói!
Dói de saudade
Dói com a injustiça que fazem com o amor
Dói com um amor não terminado dentro de si
Dói com a demora da solidão.
Mas esse é o preço que pagamos.
Dizem que o poeta apenas escreve e não vive
Mas é o contrário
Nós escrevemos aquilo que vivemos e sentimos.
Escrevemos o que vem da alma.
Ser poeta é ser sentido.
Que seja caro o preço, até mesmo dolorido.
O motivo é nobre e em mim não morre
A vontade de grafar o que sinto.
Outrora um papel branco, com palavras foi desenhado.
De verso em verso desfaço os meus mistérios
Que antes em meu peito era calado.
Sentimentos que não apenas em mim vive
Foi entre os desertos buscar os olhos
Que deles se admire.
Fez-se canção no novo abrigo.
Se for caro o preço por ser poeta
Pagarei sem disfarçar
Alegria que me acomete por poetar.
Poeta, poeta. Vive de compartilhar.



quarta-feira, 13 de outubro de 2010

~~'Eu sei- Dinely Borges

Deixe-me.
Tuas palavras nuas da verdade
Não mais escarnecem minha atenção.
Ainda que outrora vivesse em um mundo
Tão somente seu,
Hoje não suponha teus olhos
Enganar meu coração.
-Sou conhecedora das almas-
Basta-me o que já sei.

domingo, 10 de outubro de 2010

~~' Homenagem do Poeta Vulgo Mini para mim!

Por alguns instantes (Vulgo Mini)
Por alguns instantes parei e pensei
Sim, pensei em você.
Como pode existir alguém assim?
Tão cheia de ternura
Com uma sensibilidade além das que eu estou acostumado
Com um jeito único e só seu.
Pessoas são únicas no contexto geral
Mas você consegue ser única ao quadrado.
Suas expressões através do que você escreve
A autoridade e o domínio que você tem me impressionam
Viajo ao ler o que você derrama numa simples folha em branco
Mas que ganha vida quando alcança o meu coração!
Você já é sucesso dentro de mim
Mesmo que esteja no anonimato da vida
Mas acredito que o maior sucesso deva ser esse:
Passar através do que escrevemos a nossa essência,
A nossa verdade, a nossa sensibilidade,
O nosso amor pela vida e pelas coisas mais simples.
Por um instante eu pensei
Sim, pensei em você.
E cheguei à conclusão que somente Poetisa você poderia ser!

(Dedico essa obra, à minha amiga Dinely Borges, que traz em seu coração, esse dom lindo de tocar os corações com aquilo que ela escreve e tem de melhor)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

~~'Deixa-se ser menos- Dinely Borges

   Às vezes é preciso render-se, deixar-se ser menos. É que quando a mente não está cheia de “eu” as coisas indescritivelmente tornam-se menores - essa pena de si mesmo que sufoca. Erros imperdoáveis agora são mais parecidos com grãos de areia em um deserto. Às vezes é preciso soltar-se das próprias amarras e permitir-se ser livre. Olhar com os olhos da alma através do infinito que se segue.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...